Lumife @ 18:54

Ter, 20/01/09

 

 

 

Nas horas do poente,
Os bronzes sonolentos,
- Pastores das ascéticas planuras –
Lançam este pregão ao soluçar dos ventos,
À nuvem erradia,
Às penhas duras:
- Que é dele, o eterno Ausente,
Cantor da nossa vã melancolia?

Nas tardes duma luz de íntimo fogo,
Rescendentes de tudo o que passou,
Eu próprio me interrogo:
- Onde estou? onde estou?
E procuro nas sombras enganosas
Os fumos do meu sonho derradeiro!

- Ventos, que novas me trazeis das rosas
Que acendiam clarões no meu jardim?

- Pastores, que é do vosso companheiro?

Saudades minhas, que sabeis de mim?

 

 

Mário Beirão



Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
21
22
23

26
27
28
29
30
31


Pesquisar
 
eXTReMe Tracker
blogs SAPO