Lumife @ 15:50

Qua, 25/05/05

poetas.jpg





Mário Pires Gomes Beirão (1890-1965) nasceu em Beja, na Rua das Portas de Aljustrel, e faleceu em Lisboa. Licenciou-se em Direito pela Universidade de Lisboa, exercendo o cargo de conservador do Registo Civil de Mafra. Como poeta, insere-se na corrente do Saudosismo, tendo sido amigo de Teixeira de Pascoaes, Afonso Lopes Vieira, entre outros. Dessa amizade resultou a sua colaboração na revista A Águia. É aliás nessa revista que se estreia como poeta com o poema «As Queimadas» (nº4, de 15 de Janeiro de 1911). Em 1912 publica a plaquette Sintra. Principais obras: O Último Lusíada (1913), Ausente (1915), Lusitânia (1917), Pastorais (1923), A Noite Humana (1928), Novas Estrelas (1940), Mar de Cristo (1957), O Pão da Ceia (1964). Escreveu também a obra inserida na literatura de viagens Oiro e Cinza (1946), Poesias Completas (edição organizada por António Cândido Franco e Luís Amaro, IN-CM, 1997).





" À tarde, os ecos, de enfermos,

Deliram numa outra voz...

A sombra acampa nos êrmos,

É noite dentro de nós! "





A paisagem alentejana é uma constante na sua obra poética, sempre convidando a alma à reflexào e à busca do infinito, tornando-se o espaço perfeito para as realizações da sua inspiração. Cria-se aí um espaço idealizado, no qual se manifesta seu lado bucólico metafísico. Neste cenário coloca-nos o seu gosto pela luz do ocaso, do vento outonal, do culto do vago, da figura espectral e do sentimento da ausência.





«Moda» Alentejana





A ribeira do Xacafre


Vai rasa dos meus cuidados


No escuro das águas tristes,


Há laivos ensanguentados…





Ó meus olhos, ó meus olhos,


— Noite e dia — que estais vendo?


A ribeira do Xacafre,


Da minha alma discorrendo!





Na ribeira do Xacafre,


uma voz suspira fundo:


A voz da minha saudade,


A despedir-se do Mundo!





Aldeia de Montes Velhos


Não posso querer-te mais:


És a luz do sol-nascente,


Abrindo, em flor, nos meus ais!





Aldeia de Montes Velhos,


És sempre luz de alvorada,


És sempre rosa do altar


Da chama duma «queimada»!





Eu hei-de florir na urze,


Arder no vento «suão»,


Lá, na Charneca das
Naves,

Mar alto da Solidão!


*


A Epopéia dos Malteses





Choros que o pó amassaram,


Ódios, fel desesperança,


Minha crueza geraram:


Sou a estátua da Vingança!





Maltês meu nome de guerra!


Ver-me é logo pressentir


Que o vento sul se descerra


Já mirram searas de o ouvir!



De noite vou pelas eiras,


Alma em fogo — deitar fogo


A searas, medidas inteiras:


Abraso e assim desafogo!





Sou fera? Vá, que me dormem!


E vós outros que sereis?


Não sou fera, não, sou o Homem,


Escravo firmando leis!





Meu sangue reza nas veias;


Por quem reza? Por quem chora?


Pelos que em terras alheias


Foram escravos outrora!





Oculto no chão barrento,


Com piedade, com ternura,


Os que dormem ao relento,


Os mortos sem sepultura!





Coveiro da própia raça!


Dor de além-dor! Ao que eu vim!


Grito de medo me trespassa,


Acordo e fujo de mim!


*




Carta de Fernando Pessoa ao amigo Mário Beirão, em 01 de Fevereiro de 1913:


"Estou actualmente atravessando uma daquelas crises a que, quando se dão na agricultura, se costuma chamar "crise de abundância".


Tenho a alma num estado de rapidez ideativa tão intenso que preciso fazer da minha atenção um caderno de apontamentos, e, ainda assim, tantas são as folhas que tenho a encher que algumas se perdem, por elas serem tantas, e outras se não podem ler depois, por com mais que muita pressa escritas. As ideias que perco causam-me uma tortura imensa, sobrevivem-se nessa tortura escuramente outras. V. dificilmente imaginará que a Rua do Arsenal, em matéria de movimento, tem sido a minha pobre cabeça. Versos ingleses, portugueses, raciocínios, temas, projectos, fragmentos de coisas que não sei o que são, cartas que não sei como começam ou acabam, relâmpagos de críticas, murmúrios de metafísicas... toda uma literatura, meu caro Mário, que vai da bruma - para a bruma - pela bruma...


Destaco de coisas psíquicas de que tenho sido o lugar o seguinte fenômeno que julgo curioso. V. sabe, creio, que de várias fobias que tive guardo unicamente a assaz infantil mas terrivelmente torturadora fobia das trovoadas. O outro dia o céu ameaçava chuva e eu ia a caminho de casa e por tarde não havia carros. Afinal não houve trovoada, mas esteve iminente e começou a chover - aqueles pingos graves, quentes e espaçados - ia eu ainda a meio caminho entre a Baixa e minha casa. Atirei-me para casa com o andar mais próximo do correr que pude achar, com a tortura mental que V. calcula, perturbadíssimo, confrangido eu todo. E neste estado de espírito encontro-me a compor um soneto* - acabei-o uns passos antes de chegar ao portão de minha casa -, a compor um soneto de uma tristeza suave, calma, que parece escrito por um crepúsculo de céu limpo. E o soneto é não só calmo, mas também mais ligado e conexo que algumas coisas que eu tenho escrito. O fenômeno curioso do desdobramento é a coisa que habitualmente tenho, mas nunca o tinha sentido neste grau de intensidade... "






ABDICAÇÃO


Toma-me, ó noite eterna, nos teus braços

E chama-me teu filho... eu sou um rei

que voluntariamente abandonei

O meu trono de sonhos e cansaços.

Minha espada, pesada a braços lassos,

Em mão viris e calmas entreguei;

E meu cetro e coroa - eu os deixei

Na antecâmara, feitos em pedaços

Minha cota de malha, tão inútil,

Minhas esporas de um tinir tão fútil,

Deixei-as pela fria escadaria.

Despi a realeza, corpo e alma,

E regressei à noite antiga e calma

Como a paisagem ao morrer do dia.


(Fernando Pessoa, 1913)


*





De Mário Beirão diz David Mourão-Ferreira : "revelou-se como poeta de excepcionais qualidades ao publicar, com 21 anos apenas, o Último Lusíada que, inserindo-se embora no ideário do saudosismo, não deixava também de apresentar, em germe, algumas importantes características da poesia portuguesa posterior (v. g., um propósito de concisa epopeia que será, depois, o de F. Pessoa da Mensagem; uma obsessão telúrica que virá a exprimir-se na obra de Torga; um sentido de reivindicação social que terá involuntários continuadores entre os neo-realistas da geração de 40)".





" Vales de verdes pinos tão sozinhos,

Alumiados da graça do Senhor;

E, em arroubos ao Céu, - jardins em flor

De enlaçadas roseiras sem espinhos...



Ermidas onde ajoelham pobrezinhos,

Sorrindo, como Cristo, à própria dor;

Planícies de enigmático torpor

Onde se escutam vagos murmurinhos...



Por ti, meu pensamento é mais profundo

E o meu canto mais alto se alevanta,

Ó Lusitânia, coração do Mundo!



O mar ergue o teu nome em seus delírios!

E, em tardes de milagre, - ó mais que santa,

Sobre o teu corpo o céu desfolha lírios! "



*




Muito há para se conhecer deste Poeta de Beja mas fica aqui
apenas este aperitivo a aguçar o apetite.






Maio 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
17
18
19
21

22
27
28

29
30
31


Pesquisar
 
eXTReMe Tracker
blogs SAPO