Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BEJA

BEJA

09
Ago04

CABEÇA GORDA - UMA ALDEIA DO BAIXO ALENTEJO

Lumife
BJA-cabecagorda.gif


.

O casal Sónia e Carlos pediram-me elementos ou fotos desta aldeia.

Na pesquisa que fiz só encontrei fotos do Monte da Corte Ligeira.

Trata-se de uma antiga quinta reconvertida para turismo rural

Já era tempo da Junta de Freguesia, da Câmara de Beja ou do Governo Civil

à semelhança doutras autarquias também disponibilizarem elementos e fotos desta

terra.

Só fiquei a saber que a área é de 79,3 km2 e que a ordenação heráldica do Brasão

(que encima esta nota) e Bandeira foi publicada no Diário da República III série

de 05/06/1997

08
Ago04

ZECA AFONSO - 75º ANIVERSÁRIO

Lumife
@01.jpg


.




Dezassete anos de um adeus precoce. Do Homem - cantor e poeta - que

mandou vir mais cinco; que mandou trazer outro amigo; que tinha um menino

de oiro, de oiro fino; que para além de sonhar com a liberdade gritou ao povo

a vontade. Dezassete anos de partida.


Do Homem que cantava baladas; que pegava na guitarra e entoava as palavras

que encantaram gerações e fizeram tremer os mentores de um regime apodrecido

de indecência e de injustiça e de dignidade subtraída. Um “Rouxinol do Choupal”,

que deixou semeadas, sementes de sempre eterno.. Dezassete anos de olhar

ao longe

Avistando no horizonte do céu cinzento sob o astro mudo, os acordes repetidos em

memórias plenas de história e em história repleta de memória. Franjas rendadas de

inquieta perseverança que agitou em sorriso aberto.



Dezassete anos de verdade inquieta. Percorrida no país que ajudou a renascer;

passeando a esperança acontecida daqueles que, desesperançados, morreram de

desalento perdido numa terra só de fé. Numa terra de silêncio, lavrada e cultivada

do medo que ajudou a vencer.



Dezassete anos de saudade. Por Aquele que se escondeu na simplicidade de ser

gente; na hombridade dos que não se deixaram tombar vencidos nem jazer em


fossos de noite abafada. Mesmo apesar de eles terem comido tudo e não terem

deixado nada. Mesmo tendo vivido tão só, treze anos rodeado de cravos vermelhos.



Dezassete anos de febre a arder. No confronto de ideias não cimentadas e cremadas

em branqueamentos de inverdades que os movimentos cíclicos da história nos

querem impor. Em que os homens que não são de boa vontade nos querem fazer

crer. Mas haverá sempre a memória dos que trinaram nas guitarras, os sons que

nunca morrerão eternamente.



Dezassete anos de voz tremida. Na emoção e na saudade dos que subindo pelas

veredas das nuvens avermelhadas de pôr-do-sol, se tiveram que esgueirar por

entre os raios de fogo mergulhados em águas azuis do mar salgado que um dia se

fez português. Daqueles que - como tu, - por obras valerosas, se vão da lei da morte

libertando!



Dezassete anos de palavras ao vento. Daquelas que cantaste em tempo de escuridão,

por entre os vampiros da noite calada; por entre os “mandadores” de um povo

adormecido à sombra do faz de conta que nunca foi, parecendo nunca ter sido. De um

povo adormecido sobre as glórias do passado...



Dezassete anos de um adeus precoce. Para a terra do nunca mais, deixando na


memória de um povo e na multiplicação das gerações, um legado de rimas e de

palavras, entoadas entre os salgueiros dos riachos que nos enchem a vida de trinados

sinuosos, erguidos ao céu por cantares de rouxinóis e de toutinegras reais.



Dezassete anos de partida. Mas tu não partiste, ficaste. Não importa lembrar os

Dezassete anos de ausência; importa reter os Setenta e Cinco de existência. Aqueles

que partiram, nem sempre são os que não ficaram.



ajsbranco@esoterica.pt


06-08-2004 14:31:39


(De todos os textos que li sobre o Zeca Afonso foi este que melhor me preencheu

e assim com a devida vénia ao Autor António J. Branco e ao Diário Digital passo

a editá-lo no blog Beja.)

07
Ago04

BAIXO ALENTEJO

Lumife
DIST-Beja.jpg


.

O Distrito de Beja e os seus Concelhos



.



Distrito de Beja é limitado a Norte pelo Distrito de Évora, a Este pela Espanha, a Sul pela Província do Algarve e a Oeste pelo Oceano Atlântico e o Distrito de Se­túbal.
Aqui se encontram 14 con­celhos: Aljustrel, Almodô­var, Alvito, Barrancos, Beja, Castro Verde, Cuba, Ferreira do Alentejo, Mértola, Moura, Odemira, Ourique, Serpa e Vidigueira.
Os cerca de 10.223 Km2 de área são constituídos por uma extensa planície, cortada apenas por serras pouco altas: ao Norte, a Serra do Mendro, a Oeste, na fronteira, os picos de Aroche e a Sudeste, o monte do Cercal e a serra do Caldeirão.
O Distrito é ainda atravessado de Norte a Sul pelo Guadiana, que recebe aqui muitos dos seus afluentes: Echoé, Colces, Carreiras. Na Serra do Caldeirão nasce o Rio Mira que vai desaguar em Vila Nova de Milfontes.
Toda a parte Sudeste do Distrito é plana e estende-se sem interrupção pelos Concelhos de Mértola, Serpa, Castro Verde e Almodôvar.
A parte costeira do Distrito, que se estende das proximidades da enseada de Porto Côvo até à foz da Ribeira de Odeceixe é baixa e ornada de rochedos.
Há ainda a registar grandes florestas de sobro, azinho e eucalipto. Na área do Distrito, é notável a riqueza de produtos minerais, entre os quais se destacam o cobre, pirite cuprífera, chumbo, manganés, ferro e antimónio.
Como região meridional que é, apresenta um clima de afinidades mediterrânicas e continentais. De Verão quente e seco, as temperaturas médias variam entre 21º e 25º C.

06
Ago04

06 de Agosto de 1945 pelas 08h15 da manhã

Lumife
509.jpg


.

A Rosa de Hiroshima

(Vinícius de Moraes)

.

Pensem nas crianças

Mudas telepáticas

Pensem nas meninas

Cegas inexatas

.

Pensem nas mulheres

Rotas alteradas

Pensem nas feridas

Como rosas cálidas

.

Mas ó não se esqueçam

Da rosa da rosa

Da rosa de Hiroshima

A rosa hereditária

.

A rosa radioativa

Estúpida e inválida

A rosa com cirrose

A anti-rosa atômica

.

Sem cor sem perfume

Sem rosa sem nada.


06
Ago04

S . I . D . A

Lumife
504.jpg


.

aqueles que têm nome e nos telefonam

um dia emagrecem - partem

deixam-nos dobrados ao abandono

no interior duma dor inútil muda

e voraz

.

arquivamos o amor no abismo do tempo

e para lá da pele negra do desgosto

pressentimos vivo

o passageiro ardente das areias - o viajante

que irradia um cheiro a violetas nocturnas

.

acendemos então uma labareda nos dedos

acordamos trémulos confusos - a mão queimada

junto ao coração

.

e mais nada se move na centrifugação

dos segundos - tudo nos falta

.

nem a vida nem o que dela resta nos consola

a ausência fulgura na aurora das manhãs

e com o rosto ainda sujo de sono ouvimos

o rumor do corpo a encher-se de mágoa

.

assim guardamos as nuvens breves os gestos

os invernos o repouso a sonolência

o vento

arrastando para longe as imagens difusas

daqueles que amámos e não voltaram

a telefonar

.

Al Berto. "Horto de Incêndio". Assírio & Alvim.



05
Ago04

Genocídio em Darfur (Sudão)

Lumife
@02.jpg


.

Não podemos calar a nossa indignação pela indiferença

generalizada pela morte de dezenas de milhar de pessoas

(já se estima em 50.000 mortos). As atrocidades cometidas

além dos mortos provocou mais de um milhão de refugiados.

A Organização Médicos Sem Fronteiras diz : " O que se vê lá é

um sofrimento generalizado, ajuda humanitária inadequada e

violência contínua"

As razões deste conflito são complexas mas não há dúvida que

o factor central é o petróleo


.

Que faz a ONU?

Que faz a O E A ?

Que faz a U E ?

Que faz o Mundo senão assistir impávido e sereno ao desaparecimento

brutal de milhões de seres humanos !

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2005
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2004
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D